Será que um desigrejado é um crente folgado?

Apesar de tantas perseguições, divisões e muitas heresias, a igreja de Cristo continua viva e forte em nossos dias. A verdade é que milhões de pessoas estão se convertendo a Cristo anualmente em todo o mundo. A igreja cresce como nunca, principalmente em ambientes hostis e inesperados. É impressionante! É o maior crescimento geográfico e numérico da história da fé. Todavia, as lutas externas e internas dessa mesma igreja são inúmeras. Dentre os diversos problemas que a afligem as comunidades cristãs, principalmente no mundo ocidental, destaca-se a onda do “cristianismo sem igreja”, ou dos “desigrejados”. Um desigrejado é um crente confesso que desistiu da igreja e geralmente questiona sua legitimidade em função de experiências difíceis e traumáticas. Será que um desigrejado está certo ou errado? Seria um crítico coerente? Ou apenas um crente folgado?

Apesar das muitas críticas acertadas contra muitas práticas das igrejas, não se pode explicar esse fenômeno sem considerar a postura nada neotestamentária da vasta maioria dos desigrejados de hoje. Na verdade, algumas das tendências da sociedade atual têm contribuído para a elaboração de um “cristianismo diferente”, um cristianismo de massa, despersonalizado e essencialmente individualista. Vamos analisar algumas das características desse desequilíbrio:

Rejeição da cruz. Há uma certa tendência de estabelecer uma oposição absoluta entre a pessoa de Deus e o sofrimento. Hoje quase todo sofrimento e sacrifício pessoal é rejeitado por muita gente que se diz cristã. Em grande parte do mundo evangélico existe uma “busca frenética de felicidade imediata”, encaminhada por uma espiritualidade mística. Como dizem alguns de modo equivocado: “Quem tem Jesus não sofre mais”. Por essa razão, muitos fogem da igreja, pois querem evitar desconfortos e problemas.

Espiritualidade individualista. Grande parte da espiritualidade de hoje é voltada para experiências individuais e emocionais. Para muitos, a intensidade da experiência espiritual individual prova que a ação de Deus foi mais poderosa. É quase um narcisismo místico. Atitudes virtuosas como “perdoar o outro”, “aumentar o salário baixo da empregada”, “ser um cidadão politicamente responsável”, não são vistos como marcas de boa espiritualidade; por outro lado, “sentir arrepios na coluna”, “ter muita paz no coração”, “gritar no louvor e desmaiar de tanto poder” tornaram-se sinais de grande espiritualidade. Essa visão egocêntrica vê o irmão em Cristo como alguém que pode “atrapalhar” a dita “espiritualidade profunda”, pois, Deus só é encontrado na individualidade e na experiência sensorial intensa.

Rejeição de autoridade. Há muita gente que não quer fazer parte da igreja, por não aceitar submeter-se a nenhuma autoridade. É o grito da independência indevida. Muitas são as pessoas que não querem prestar contas da vida a ninguém. Só procuram alguém que aceite sua maneira de pensar e de viver. Não se submetem nem a textos explícitos das Escrituras. São pessoas muito críticas, mas que deixam de criticar a si mesmas. Sentem-se donas da verdade, sendo escravas de seus próprios interesses pessoais. Migram de uma igreja para outra o tempo todo, e, acabam não ficando em lugar nenhum.

Consumismo da Fé. Muitos hoje enxergam a igreja, e o próprio evangelho, como uma mercadoria a ser consumida. Não têm compromisso e procuram igrejas como um cliente. Em alguns casos, há aqueles que costumam frequentar diversas igrejas. Numa comunidade eles “consomem” a boa mensagem do culto. Em outra “compram” o louvor mais “animado”, e ainda numa terceira “desfrutam” da escola bíblica para adquirir mais informações. Esses consumidores da fé são pessoas que não se veem como servos que devem doar-se para o Reino. Querem apenas ser agradadas e até mesmo mimadas. Não enxergam o conceito bíblico de corpo, de coletividade; não conseguem ver que a obra de Deus é sustentada pelo esforço de todos.

O Novo Testamento afirma a necessidade inequívoca da igreja local, expressão concreta da igreja universal. A única esperança para o mundo é a igreja, segundo o ensino bíblico. O corpo de Cristo é o único meio pelo qual Cristo age no mundo, como bem enfatizava Bonhoeffer. A epístola aos Efésios e as cartas pastorais são textos que falam muito sobre a igreja e devem ser estudadas com muita atenção. Os escritos neotestamentários enfatizam a igreja enquanto reunião dos salvos em Cristo. Juntos adoram a Deus, estudam sua Palavra, edificam-se, proclamam a salvação, desenvolvem seus dons e manifestam o amor ao próximo. Além disso, são todos chamados para a missão a fazer discípulos de todas as nações (Mt 28.19-20),

Segundo a Bíblia, o cristão sem igreja é um herege. Desigrejado pode ser até pior do que um crente folgado. A oração cristã por excelência é o “Pai Nosso” e não o “Pai Meu”. Não há lugar para o narcisismo individualista no Reino. O próprio Jesus enfatizou a importância do grupo e da comunidade (Mt 18.19-20) quando afirmou que está presente entre “dois ou três reunidos em seu nome”. Como é possível perdoar o outro se me isolo? Como posso desenvolver o meu dom espiritual se vivo sozinho? Como realizar a missão sem a comunidade da fé? Como crescer espiritualmente sem fazer parte de uma igreja? Cristão sem igreja não faz o mínimo sentido! É um contrassenso.

A verdade é que por trás de uma crítica feroz contra a Igreja em muitos casos escondem-se: a avareza, a arrogância, o ódio, a insubmissão, a falta de perdão, o comodismo, a frieza espiritual e até mesmo algum pecado oculto. É triste dizer, mas, é verdade: muitas vezes, o desigrejado é um crente folgado.” … Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês vêem que se aproxima o Dia.” [Hebreus 10.25 (NVI)].

Autor: Professor Luiz SayãoDa Redação
Fonte: IBNU

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *