Eis que nas palmas das minhas mãos eu te gravei…

Isaias 49:16

INTRODUÇÃO

O Senhor está se referindo aqui ao costume dos judeus, talvez tirado do texto de Êxodo 13:9, de marcar, por assim dizer, nas mãos o símbolo de sua cidade, Jerusalém, e de seu templo, como um sinal de devoção.

A cidade é aqui personificada como uma mulher que reclama de ter sido abandonada pelo marido (que é o Senhor) e privada dos filhos (os residentes exilados da cidade). Comparando-se à mãe em fase de aleitamento, o Senhor garantiu a Jerusalém que jamais poderia tê-la abandonado. Ainda que ela e seus filhos tivessem sofrido as duras conseqüências do seu próprio pecado, ela voltaria a ser habitada. Seus filhos exilados retornariam em massa, escoltados pelos gentios. O Senhor os resgataria do cativeiro e se vingaria de seus opressores.

Vimos o quanto Deus ama o seu povo.

 

“Eis que nas palmas das minhas mãos eu te gravei…”

Isaias 49:16

Esta frase utilizada por Isaias, vem expressar algo, que por mais profundo que cheguemos, não conseguiríamos explicar ou mensurar o significado do misterioso amor de Cristo por nossas vidas. Por qual motivo Deus enviou o seu filho para morrer na cruz por nós? Essa é uma pergunta que acredito estar em vários corações, mas para entendermos as coisas Espirituais temos que estar em comunhão com aquele que realmente tem a cada um de nós cravado em suas mãos.

Analisando friamente podemos tomar por duas interpretações nesta passagem de Isaias 49:16. Primeiramente, analisando contexto e o texto, identificamos que Isaias, como um profeta messiânico que era, deixa uma lacuna na qual podemos chegar à seguinte conclusão: ao observarmos o versículo anterior e o versículo chave deste texto, vemos que Isaias está falando que Deus nunca se esqueceria de nós, pois tem nos cravados em suas mãos, deixando a nós uma interpretação de que estamos com nossas vidas cravadas nas suas mãos; de que forma eu não sei. Se será apenas nossos nomes não sabemos; se é o novo nome que teremos nos céus também não sei. Contudo, acreditamos que de alguma forma estamos cravados em suas mãos, razão pela qual Ele jamais irá esquecer-se de nós.

Posteriormente numa segunda interpretação chegamos a conclusão de que Isaías falava da morte expiatória de Cristo na cruz; que Cristo nos cravou em suas mãos no momento em que suas mãos foram pregadas naquela cruz, sendo a crucificação marcada pelo ato que nos traz liberdade e remissão de nossos pecados por se tratar do preço pago por Jesus Cristo.

Agora para chegarmos a uma conclusão de qual é a definição mais correta do versículo relatado por Isaias, podemos dizer que as duas interpretações estão corretas.

Por isso podemos afirmar que Cristo nos cravou em suas mãos externando seu amor inexplicável na cruz por cada um de nós. Em assim sendo, temos a liberdade, sim, de glorificar aquele que merece todo o louvor e glória, pois tem deixado em nós a marca da nova aliança e a reedificação de seu altar em nossas vidas.

Diante desse quadro traçado por Isaías, precisamos tomar algumas atitudes enquanto filhos e servos do Senhor

1. ATITUDE: CONHECER QUEM SOMOS

No caso específico dos jovens, podemos afirmar que o jovem, como todo ser humano,veio ao mundo submetido às leis da procriação.

Foi criança, mas deixou de ser. Agora, já na fase infanto-juvenil, começa uma outra batalha, em que nada é menor que a primeira travada na infância.

Desde a infância inicia-se uma trajetória que todos por ela percorrem. É a formação do caráter.

Temos convivido com diferentes comportamentos entre os seres humanos.

Isto porque não podemos herdar uma conduta apenas estrutural, física e neurológica.

Neste vaivém da vida, estão crianças, adolescentes, jovens, adultos e anciãos, que serão beneficiados ou vitimados pelas influências externas. Daí surgir a chamada crise de identidade.

Em assim sendo, muitos ficam perguntando a si mesmo: quem sou eu?

Ex. soldado e um escritor do século 19.

 

Essa crise, no entanto, começa dentro do lar, onde muitas crianças não sãos mais ensinadas como acontecia como outras famílias antigamente.

A correria dos pais para sobreviverem nessa batalha diária do consumismo, a luta das mães pela libertação da dependência dos pais maridos e as curiosidades para conhecer os pratos que estão à mesa, postos pela mídia (internet – facebook, twitter etc), estão levando adolescentes e jovens (e até adultos) a se distanciarem de seus pais e  seguir caminhos contrários a boa convivência com a Palavra de Deus.

2. ATITUDE: VIVER FORA DOS PADRÕES MUNDANOS

Vivemos numa sociedade travestida de moderna, onde o mais importante não é o ser e sim o ter. Essa onde tem invadido as igrejas evangélicas e os mais atingidos são os jovens cuja maioria está, como disse anteriormente, em crise de identidade.

Quero, aqui expressar três argumentos que são propícios para uma análise de todos os jovens e pessoas que lidam com elas no dia a dia, dentro ou fora da igreja, segundo o pastor e escritor Ronaldo Fonseca em seu livro: Juventude em Crise (CPAD – Rio de Janeiro – 1996).

Primeiro – Mais da metade da população do mundo é constituída de jovens. Eles estão ocupando as mais diversas posições de destaque e responsabilidade no cenário mundial.

Contudo, há uma séria preocupação das autoridades, com relação a estes jovens. Esta preocupação, segundo Ronaldo Fonseca, está voltada para as áreas: Emocional, social e profissional.

Muitos jovens, hoje, não querem aprender uma profissão; não valorizam os estudos; desrespeitam seus pais, mas supervalorizam as amizades maléficas, ridicularizam seus pais, amam a promiscuidade e insistem em viver longe da realidade familiar.

 

Segundo – Estando presente na igreja há mais de 20 anos, tenho presenciado e acompanhado com que negligência os assuntos mais questionados pela juventude tem sido pautados no contexto visionário da liderança evangélica, diz aquele escritor.

Quero dizer a vocês nesta manhã que, não basta apenas alertarmos aos soldados em guerra dos perigos que eles enfrentarão diante dos inimigos. Se não dermos armas para eles lutares, certamente eles serão mortos ou abandonarão o barco.

Eu, pastor Gomes, posso afirmar que é realmente assustadora a percentagem de jovens que está dentro de nossas igrejas, mas convivendo com hábitos mundanos.

Eles vivem “nadando” no “oceano” das dúvidas; muitos já pereceram nos “mares” da ignorância. Isto porque são vítimas do silêncio em que estão envolvidos.

Graças a atuação magnífica e edificante do Espírito Santo, há sem dúvidas um grande exercito de “sobreviventes”.

Biblicamente, podemos citar exemplos de jovens que venceram a carne, o ódio e a perseguição, mas permaneceram firmes na presença de Deus: José e Timóteo.

Terceira – É parte de nossa preocupação, saber que muitos de nossos jovens vivem buscando nas revistas e periódicos mundanos as respostas para suas interrogações.

Chamo a atenção dos jovens nesta manhã: Posso afirmar que Deus não se agrada disso, pois foi Ele quem deu ao homem a sua palavra, com o objetivo de instruí-lo e fazê-lo ciente que o próprio Cristo pensa sobre sua criatura: O homem (Salmo 1:1).

Posso garantir que o jovem que conhece a Bíblia como ela é, está pronto a viver como Deus quer.

A Bíblia, mesmo sendo a Palavra de Deus, não se mostra tímida quanto às respostas inquiridas pela juventude, com relação a sua vida íntima.

3. ATITUDE: ACREDITAR NO SENHOR

a) Para perdoar seus pais

Às vezes, alguns de nós, tem escutado certos pais, num acesso de ira, dizendo a seus filhos: “não te desejamos, você é um simples acidente, você veio a este mundo, mas não te desejamos, não estávamos preparados” é uma dor profunda que brota no coração de um bebê, de uma terna criatura.

Mas não estamos neste mundo por acidente! Amém?

Seus pais não tiveram um acidente, a verdade é que você está aqui porque Deus quis, porque Deus desejou. Portanto, você não nasceu por casualidade; você nasceu porque Deus tinha um propósito contigo. Deus tem um plano para te colocar numa posição de honra!

Perdoe seus pais e aqueles que te ofenderam em momentos que não refletiram antes de falar aquelas palavras que até hoje residem na sua vida emocional.

b) Para ser protegido pelo Senhor

Jovens, senhores e senhoras que se encontram aqui nesta manhã. Nós somos protegidos pelo Senhor, pois, pelo texto temático desta mensagem, Deus carrega e cuida dos seus filhos por quem tem um Amor profundo

A mão de Deus é a mão protetora; é a mão que abençoa. É a mão do Pai que ama a seu filho e que o guia pelos caminhos corretos – Isaías 41:10

c) Para ser honrado pelo Senhor

Aos jovens que aqui estão, posso afirmar pela Palavra que Deus tem um projeto para a sua vida. Então lutem para conquista-los: Família, emprego, profissão, boas amizades, comunhão perfeito com o Senhor.

Mas lembrem-se: nada disso acontecerá se você não colocar seus objetivos no centro da vontade de Deus.

Na primeira carta de Pedro, 5:6-7, está escrito:

Portanto, humilhai-vos sob a poderosa mão de Deus, para que ele a seu tempo vos exalte, lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, pois Ele tem cuidado de você.

CRAVADO NAS PALMAS DAS MÃOS DE CRISTO

Deus abençoe a todos!

Autor: Pr. Gomes Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *